Criminalização tem cor: a aparência social como fator para o encarceramento

0
95

Enraizados em nossa sociedade, o preconceito e o racismo acompanharam a evolução humana durante toda sua formação, e no Brasil, os reflexos disso são ainda mais notáveis. Os números não mentem, e demonstram a dificuldade enfrentada pelas classes menos favorecidas em razão dos demais grupos sociais. É evidente, portanto, a necessidade de implementação de políticas públicas mais eficazes em favor dessas pessoas, com aplicação de um processo restaurativo contínuo, que busquem proteger o indivíduo vulnerável do encarceramento precoce em razão de sua posição na sociedade. Diante disso, o presente artigo busca criar debates e desenvolver nos leitores um senso crítico sobre o assunto, demonstrando que a aparência, a classe social, a cor e a raça determinam sim, aos olhos da sociedade, a marginalização do indivíduo, diminuindo suas oportunidades de desenvolvimento uni e interpessoal, uma vez que promovem dificuldades ao exercício da defesa de seus direitos processuais, e consequentemente, o encarceramento prematuro.

Palavras-chave: Direitos processuais. Encarceramento. Vulnerabilidade. Marginalização. Cor. Raça. Classe social.

Autora:

Leonora Cristina dos Santos Katayama

Download:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui